• Fábio Moraês

Bons pensamentos, Bons sentimentos.

Atualizado: 25 de Out de 2019

Fátima Moraes




Uma vez uma pessoa mais que especial falou uma frase, entre tantas, muito interessante. Devemos amar ao próximo como a nós mesmos. Mas como é amar a nós mesmos? Só amamos aquilo que conhecemos. Assim precisamos nos conhecer para nos amarmos e para amarmos o outro.


Quando alguém nos pergunta, o que mais gosta de fazer, ou quais são seus valores, quais são suas crenças, muitas vezes temos muita dificuldade para responder.


Nossas crenças movem nossos pensamentos e direcionam nosso comportamento. O comportamento nos conduz a realizações. Porém muitas vezes apresentamos comportamentos que nos conduzem a ansiedade, tristeza, medo, raiva, podendo até nos paralisar. Apenas neste momento, quando o corpo dá sinais de grande desiquilíbrio,

buscamos respostas, buscamos entender o que está acontecendo.


Neste momento deveríamos questionar nossas crenças. Algumas são inatingíveis como “tenho que ser perfeito”, “todos devem gostar de mim” ou “tudo deve acontecer do meu jeito”. Usamos tanta energia para mantermos algumas crenças e não percebemos que podemos adoecer.


Neste processo começamos a buscar nos conhecer melhor, entender que somos únicos no planeta e estamos nos transformando a cada minuto. Tirar nossa vida do automático, segurar as rédeas de nossa vida e direcionarmos para onde realmente queremos.

É um exercício diário. Identificar pensamentos automáticos disfuncionais, rever nossas crenças individuais, viver cada minuto com atenção plena no aqui, agora.


Como disse, é um exercício diário, vigiar nossos pensamentos. Bons pensamentos, bons sentimentos, com controle de nossas escolhas, buscando o desenvolvimento e qualidade de vida.


Assim podemos começar a pensar a amar o outro como amamos a nós mesmos.


0 visualização